Buscar

A Polônia e os estados bálticos são verdadeiros amigos da Ucrânia e são sempre os primeiros a apoiar

O presidente Volodymyr Zelenskyy destacou a liderança da Polônia, Lituânia, Letônia e Estônia no apoio abrangente à Ucrânia diante da agressão armada da Federação Russa. O presidente da Ucrânia declarou isso à mídia após as conversas com os presidentes dos quatro países em Kiev.

Volodymyr Zelenskyy observou que, antes da reunião, os líderes da Polônia, Letônia, Lituânia e Estônia visitaram Bucha, Borodyanka e Dmytrivka na região de Kiev, recentemente libertadas da ocupação russa.

"Isso significa que é muito importante que eles vejam com seus próprios olhos o que aconteceu nessas pequenas cidades que foram queimadas e torturadas. Isso é o que discutimos hoje. E não se trata de guerra - trata-se de algo horrível, trágico, algo incompreensível", disse ele.

O Chefe de Estado ucraniano salientou que os líderes da Polônia e dos países bálticos sempre estiveram lado a lado com a Ucrânia e foram os primeiros em tudo desde o início em termos de apoio ao nosso Estado.

"O primeiro a apoiar o desejo da Ucrânia de ocupar seu lugar na família europeia. O primeiro na forte política de sanções contra a Federação Russa, que está sendo promovida nos países da UE. Mesmo quando falamos de armas, armamentos e equipar nosso exército, os líderes desses países estavam entre os primeiros”, disse Volodymyr Zelenskyy.

O Presidente gostaria que a Ucrânia tivesse as mesmas relações estratégicas amigáveis, de parceria, honestas e abertas com todos os países vizinhos.

"E estou confiante de que esses quatro estados serão os primeiros em todas as páginas da história futura da Ucrânia. E temos um grande futuro, porque com esses parceiros e amigos definitivamente venceremos", está convencido Volodymyr Zelenskyy.

Por sua vez, o presidente polonês Andrzej Duda disse que a última vez que visitou a Ucrânia foi no dia anterior à invasão russa. Ele observou que a atual visita é um sinal de solidariedade com a Ucrânia e seu povo heróico.

Andrzej Duda também enfatizou que atualmente cerca de 2 milhões de ucranianos (principalmente mulheres e crianças) estão na Polônia para se proteger da guerra e da morte.

O presidente da República da Polônia disse que hoje viu com seus próprios olhos as consequências da agressão russa.

"É difícil de acreditar. Isso não é guerra, é terrorismo. Se alguém envia aviões e soldados para bombardear áreas residenciais, para matar civis, não é guerra, mas crueldade, banditismo, terrorismo", disse ele.

Andrzej Duda ressaltou a importância de levar à justiça nos tribunais internacionais aqueles que cometeram crimes e deram ordens criminais.

O líder polonês observou que as sanções aplicadas devem levar ao fim da guerra e evitar agressões no futuro.

Ele também expressou esperança de que uma Ucrânia livre, soberana e independente logo se torne parte da União Européia.

O presidente da Lituânia, Gitanas Nausėda, observou que a nação ucraniana mostrou sua força e determinação nas últimas semanas e continua a demonstrar essas qualidades todos os dias nas batalhas.

Ele também enfatizou que as autoridades russas devem ser responsabilizadas por todos os crimes hediondos cometidos por soldados russos na região de Kiev.

Segundo Gitanas Nausėda, a Ucrânia deve vencer essa guerra, e para isso precisa de apoio – militar, armado, humanitário, financeiro, econômico.

Gitanas Nausėda também pediu sanções mais duras contra a Rússia, incluindo um embargo total ao petróleo e gás russos, sanções contra todos os bancos russos destinadas a parar de financiar a guerra de Vladimir Putin.

O presidente da Lituânia também anunciou que pretende criar um centro de cultura e educação ucraniana em Vilnius, que funcionará sob a liderança das primeiras-damas. "Os lituanos sentem a dor ucraniana. Sabemos que a Ucrânia vencerá e prosperará, e continuaremos parceiros e amigos íntimos", assegurou Gitanas Nausėda.

O presidente da República da Estônia, Alar Karis, enfatizou a necessidade de empurrar as tropas russas mais para o leste para garantir a paz na Europa.

Ele também afirmou que, juntamente com todo o povo estoniano, simpatiza profundamente com a Ucrânia pelos horrores que os ocupantes russos fizeram aos ucranianos.

Alar Karis enfatizou que todos esses crimes devem ser investigados e levados em consideração ao aplicar um novo pacote de sanções contra a Rússia.

No entanto, segundo ele, como os esforços diplomáticos não ajudaram a evitar o confronto armado, a Ucrânia deve receber assistência na forma de armas necessárias.

O presidente da República da Letônia, Egils Levits, observou que o processo de levar o agressor à justiça por crimes de guerra cometidos contra ucranianos já está em andamento nos tribunais internacionais.

"Apoio a necessidade de um tribunal ou tribunal especial que trate do crime de agressão. Porque até agora não existe um tribunal internacional onde alguém possa ser condenado por tal crime com tal composição", disse ele.

O presidente da Letônia também está convencido de que a Ucrânia precisa agora de assistência armada.

"A Ucrânia está lutando por nós e é nosso dever ajudar por todos os meios, armas, para que a Ucrânia possa se defender do inimigo", disse Egils Levits.

O líder letão observou que hoje todos os estados membros da OTAN devem ajudar a Ucrânia com armas eficazes. Além disso, a República da Letônia pode ajudar nas exportações de grãos.


Fonte: https://www.president.gov.ua/

1/7