Buscar

Agência da ONU inspeciona usina nuclear da Ucrânia em missão urgente


Uma equipe de vigilância nuclear da ONU partiu em uma missão urgente na segunda-feira para proteger a usina atômica de Zaporizhzhia, ocupada pela Rússia, no centro dos combates na Ucrânia, uma viagem há muito esperada que o mundo espera que ajude a evitar uma catástrofe radioativa.


As apostas não poderiam ser maiores para o grupo de especialistas da Agência Internacional de Energia Atômica que visitará a usina em um país onde o desastre de Chernobyl em 1986 enviou radiação por toda a região, chocou o mundo e intensificou o afastamento global da energia nuclear.


“Sem exagero, esta missão será a mais difícil da história da AIEA”, disse o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba.


Ressaltando a urgência, a Ucrânia e a Rússia se acusaram novamente de bombardear a região mais ampla ao redor da usina nuclear, a maior da Europa, que foi brevemente desativada na semana passada. Os perigos são tão altos que as autoridades começaram a distribuir comprimidos de iodo anti-radiação para os moradores próximos.


Para evitar um desastre, o diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, buscou acesso há meses à fábrica de Zaporizhzhia, que as forças russas ocuparam e trabalhadores ucranianos operaram desde os primeiros dias da guerra de seis meses.


“Chegou o dia”, twittou Grossi na segunda-feira, acrescentando que a “Missão de Apoio e Assistência … da AIEA, com sede em Viena, está agora a caminho”. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia disse que a equipe, liderada por Grossi, deve chegar a Kyiv na segunda-feira. Em abril, Grossi liderou uma missão da AIEA em Chernobyl, que as forças russas ocuparam no início da guerra.


A AIEA disse em comunicado que sua equipe “realizará atividades urgentes de salvaguardas”, avaliará os danos, determinará a funcionalidade dos sistemas de segurança e proteção da usina e avaliará as condições de trabalho da equipe da sala de controle.


A agência de energia nuclear da Ucrânia, Energoatom, alertou na segunda-feira sobre as tentativas russas de encobrir seu uso militar da usina.


“Os ocupantes, preparando-se para a chegada da missão da AIEA, aumentaram a pressão sobre o pessoal... trabalhadores da fábrica foram feridos no bombardeio russo da cidade onde vivem.

1/7