top of page
Buscar

Amigos de infância treinam para desafiadora corrida transpacífica



Um grupo de amigos de infância se reuniu em Dubai para iniciar um programa de treinamento de seis meses antes de enfrentar um árduo desafio - remar 4.500 quilômetros pelo Oceano Pacífico.


Liderados pelo aventureiro Paris Norriss, que lidera o programa de viagens online Guy in Dubai, Barney Lewis, Oliver e Harry Amos esperam arrecadar mais de Dh650.000 (US$ 177.000) para a conservação marinha e instituições de caridade de veteranos militares competindo em uma das corridas mais difíceis o planeta.


A equipe planeja partir em sua jornada em junho, dependendo das marés e do clima. O barco feito à medida chegou ao Dubai e está a ser posto à prova no Golfo Pérsico, antes do que promete ser o maior desafio de cada um dos quatro tripulantes.


“Queríamos fazer algo significativo com nossas vidas como um coletivo”, disse Norriss, que estudou com Oliver na Millfield School em Somerset, Inglaterra. “Reencontrei Olly em Dubai depois de alguns anos, pois estava filmando documentários de aventura aqui.


“A combinação de minhas aventuras e nosso vínculo ao longo dos anos parecia funcionar, então nos reunimos e chamamos Barney, que era outro amigo de escola, para se juntar à equipe.”

Oliver Amos é um especialista em armazenamento de energia baseado em Estocolmo, um ávido praticante de wakeboard, monoesquiador, paramotorista e mestre malabarista. Seu irmão, Harry, é um consultor baseado em Dubai importando tecnologia sustentável para os Emirados Árabes Unidos e ex-capitão do Exército Britânico, no qual serviu por 11 anos, com duas passagens pelo Afeganistão.


Lewis, por sua vez, é consultor de estratégia em Londres especializado em empreendimentos, paramotorista e instrutor de esqui.





Traçando sua jornada

A equipe também está fazendo um documentário sobre o desafio, que será exibido no Amazon Prime e nos canais de bordo de várias companhias aéreas, como Emirates e Etihad.


A equipe começou a treinar sob a orientação de Gus Barton, especialista em preparar pessoas para desafios de remo oceânico.


O patrocínio logo se seguiu para cobrir os custos da viagem de Dh 590.000 e uma arrecadação adicional para doar a instituições de caridade.


Eles incluíram a Blue Marine Foundation, uma instituição de caridade dedicada a restaurar a saúde do oceano abordando a sobrepesca, e os Invictus Games, uma fundação que apóia veteranos militares


Apenas 81 pessoas já remaram no Oceano Pacífico, e a equipe se prepara para competir contra 20 barcos que pretendem estabelecer um recorde mundial da travessia ao terminar em menos de 30 dias e cinco horas.


“Até [recentemente], nenhum de nós jamais havia remado através de um rio. Estamos em máquinas de remo há seis meses, mas agora temos nosso barco e podemos praticar na água. Todos nós temos experiência no esporte, mas o remo é muito diferente e novo”, disse Norriss.

Na primeira semana com o barco, a equipe completou 55 horas de remo e incluiu uma sessão de 36 horas. Eles planejam levar cerca de 40 dias para remar de Monterrey, na Califórnia, até as ilhas havaianas.


Seu barco a remo tem 7,5 metros de comprimento e possui uma máquina de produção de água doce a bordo alimentada por painéis solares. Ele foi projetado para se autocorrigir em caso de capotamento e possui duas cabines para descanso. A tripulação irá remar em turnos de duas horas, continuamente durante o desafio.


Essa rota mudará apenas se um membro da tripulação adoecer, então eles estarão operando no máximo 90 minutos de sono por vez, com a privação do sono e os desafios mentais associados provavelmente sendo o maior obstáculo. Para se preparar, os remadores têm acordado às 3h da manhã para completar sessões intensas em uma máquina de remo.


“Estou mais preocupado com os tubarões”, disse Norriss. “Temos que limpar o fundo do barco a cada quatro dias, mais ou menos, o que significa que um de nós entrará na água. “Esperamos ver muitos golfinhos, baleias migratórias e, claro, tubarões, que costumam ficar curiosos para saber que comida pode cair do barco. “A vida selvagem será incrível e o pôr do sol como em nenhum outro lugar do planeta – mas será muito difícil.”

1/9
bottom of page