Buscar

Ataques russos em Dnipro tiveram como alvo áreas civis



O Exército russo bombardeou as cidades ucranianas de Dnipro e Lutsk, enquanto concentrava militares próximo ao aeroporto de Kiev. No dia em que se admite a abertura de novos corredores humanitários, as primeiras horas foram de ataques que, em Dnipro, tiveram como alvo áreas civis. O governo de Kiev diz que a guerra já provocou mais mortes de civis ucranianos do que de militares.


Moscou convocou, nessa quinta-feira (10), reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas para discutir suposta atividade norte-americana em território ucraniano, no domínio das armas biológicas. A Casa Branca nega ter desenvolvido esse tipo de armamento na Ucrânia e admite que o Exército russo venha a usar armas químicas e biológicas no conflito.

Em vídeo publicado no Facebook, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, nega que alguma arma química ou qualquer outra de destruição em massa tenha sido desenvolvida no país.


O presidente ucraniano rejeitou as acusações russas de que seu país tenha armas químicas "ou outras de destruição maciça". Disse que elas são parte da propaganda russa para justificar a invasão.


"Não foram desenvolvidas armas químicas ou outras armas de destruição maciça na Ucrânia". E "todos sabem disso", acrescentou.


Ele ameaçou a Rússia de que se fizer alguma coisa contra os ucranianos, "receberá em resposta sanções mais duras". O presidente deixou mensagem também na plataforma Telegram, no início do 16.º dia da invasão russa.

1/4