top of page
Buscar

Cientistas soam alarmes sobre inverno europeu incomumente ameno



Cientistas alertaram que as temperaturas amenas em partes da Europa neste inverno são um evento climático extremo causado pela mudança climática – no mesmo nível das ondas de calor que atingiram o continente no verão passado.


Eles disseram que os europeus estão mal preparados para esses extremos, que eles preveem que provavelmente se tornará a norma depois de 2050.


Temperaturas próximas a 19°C foram registradas na capital polonesa, Varsóvia, no dia de Ano Novo, enquanto na fronteira com a Bielorrússia atingiram 16,4°C — 4,5°C a mais do que o recorde anterior.


Em Paris, as temperaturas ficaram 5,5°C acima da média entre 19 de dezembro e 2 de janeiro. Tais temperaturas fora da estação são impulsionadas pela chegada dos ventos subtropicais do sudoeste. Embora não sejam incomuns, sua intensidade aumentou com o aquecimento global causado pelo homem.


Sua principal causa é a queima de combustíveis fósseis desde o início da Revolução Industrial no século XIX.


"O aquecimento global reduz as diferenças de temperatura entre as latitudes baixas e altas, o que pode afetar a circulação atmosférica nas latitudes médias. Isso pode levar, em particular, a mais sistemas de alta pressão, mantendo os sistemas de baixa pressão fora do continente europeu", disse Gerhard Krinner, climatologista e diretor de pesquisa do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica.


“Isso pode, por sua vez, aumentar a intensidade e a duração das ondas de calor”.


Os registros deste inverno mostram um desvio da norma semelhante ao do verão passado, quando as temperaturas durante as ondas de calor foram cerca de 7°C mais altas do que o normal, disse Serge Zaka, especialista em agricultura e clima que também dirige a organização não governamental francesa InfoClimat.


Os números publicados pelo serviço meteorológico nacional francês, Meteo France, mostram que, em média, as temperaturas durante o verão foram 2,3°C acima do normal.

1/9
bottom of page