Buscar

Conheça os benefícios do chocolate para uma Páscoa mais saudável

Pesquisa aponta que a procura pelo alimento cresceu 27% no ano passado quando comparado ao mesmo período de 2020



O chocolate possui cerca de 600 moléculas já identificadas, sendo que aproximadamente 50 delas são responsáveis por cativar nosso olfato com o aroma característico do alimento. Esse é um dos motivos pelo qual a indústria química ainda não conseguiu formular um chocolate artificial, fazendo com que o consumo do produto natural continue sendo elevado.


Os domicílios brasileiros estão consumindo mais chocolate e com maior frequência. Realizada pelo Instituto Kantar, uma pesquisa apresentada pela Abicab (Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas) mostra que a procura pelo alimento cresceu 27% no ano passado quando comparado ao mesmo período de 2020. Esses dados reforçam que o chocolate faz parte da vida do brasileiro que, mesmo diante de uma série de mudanças de hábitos promovidos pela pandemia da Covid-19, não deixou de consumi-lo.


Segundo Tatiana Bononi, nutricionista da Rede de Hospitais São Camilo de SP, entre os motivos dessa procura pelo chocolate está a sensação de bem-estar e de felicidade ocasionada pela liberação de substâncias estimulantes do sistema nervoso. “Para muitas pessoas, o chocolate atua como uma espécie de antidepressivo natural, propiciando momentos de prazer intenso”, frisa.


Ela destaca também que o chocolate costuma ser visto como um vilão, por conta da grande quantidade de gordura saturada e de açúcar que ele tem em sua composição.

“O maior problema é a quantidade a ser ingerida, uma vez que o alimento também contém nutrientes e vitaminas que fazem bem ao organismo, como manganês, cobre, magnésio, ferro, fósforo, cálcio e potássio, e das vitaminas A, D, E e as pertencentes ao Complexo B. Para saber a quantidade recomendada que cada um deve ingerir, o ideal é consultar um profissional de nutrição”, explica.


Saiba mais sobre os tipos de chocolates e suas composições:

Chocolate branco: contém leite, açúcar e manteiga de cacau, mas não leva a massa de cacau, portanto tem muito mais açúcar e gordura em sua composição e não acrescenta nenhum benefício à saúde.

Chocolate amargo: contém massa de cacau que varia de 50% a 100%, manteiga de cacau e açúcar. Quanto maior o teor de cacau, mais amargo, menos manteiga de cacau e menos açúcar ele terá, ou seja, será mais puro, nutritivo e rico em fitoquímicos.

Chocolate ao leite: contém os mesmos ingredientes que o chocolate amargo, mas suas proporções são diferentes – leva menos massa de cacau, mais manteiga e açúcar. Ele ainda leva leite em pó para chegar à cor marrom clara, textura cremosa e sabor adocicado, além de maior concentração de açúcar e gordura, responsáveis pela cremosidade. Como tem menos massa de cacau, é pobre em nutrientes e fitoquímicos, logo não proporciona benefícios ao organismo como a versão amarga.


Dentro dos tipos acima, temos as variações:

Ao leite 0% açúcar - não contém açúcar em sua composição, sendo indicados para diabéticos. No entanto, deve-se ter atenção a quantidade ingerida, pois para compensar a falta de açúcar, ganha maior dose de gordura, sendo mais calórico do que o chocolate ao leite tradicional. Encontrado em tabletes, bombons e ovos.

Chocolate orgânico - o cacau utilizado nesse tipo de chocolate é orgânico, ou seja, é produzido sem o uso de agrotóxicos e fertilizantes químicos, trazendo mais benefícios à saúde e ao meio ambiente. Há as opções ao leite, amargo e à base de soja.


Para pacientes intolerantes, temos as alternativas:

Alfarroba: é uma alternativa ao chocolate, pois tem sabor bem similar e não causa compulsão alimentar. Ela é uma leguminosa da família do feijão e não contém alergênicos como glúten ou lactose. É rica em fibras e fonte de vitamina A. Já existem até opções de ovos de Páscoa no mercado, uma ótima alternativa para quem sofre com compulsão, pois ela não contém estimulantes como a cafeína em sua composição. Ou seja, sacia a vontade do sabor sem causar o desejo da repetição.


À base de soja - é 100% vegetal, feito com extrato de soja, sem lactose ou glúten. Disponível em bombons, barras, ovos de Páscoa, esta guloseima é especialmente indicada para pessoas com intolerância à lactose e celíacos. A versão sem açúcar pode ser consumida por diabéticos.

Sobre a Rede de Hospitais São Camilo No Brasil desde 1922, a Sociedade Beneficente São Camilo, que pertence à Ordem dos Ministros dos Enfermos, foi fundada por Camilo de Lellis e conta, ainda, com 25 centros de educação, dois colégios e dois centros universitários.

1/6