Buscar

Contatos com OVNIs em Paula Freitas e Porto União


A história anterior que aqui contamos, a dos dois casos de avistamentos em General Carneiro, resultou em novo relato. Desta vez, no entanto, a ocorrência relatada foi em Paula Freitas (PR). A fonte, que não quis se identificar, relatou que estava próximo à janela da cozinha de sua casa quando, de repente, um objeto pairou no quintal. “O cachorro latia desesperado, aí vieram o marido e filhos, o quintal ficou muito iluminado e muito rápido aquilo sumiu numa velocidade absurda!” disse.

Este avistamento fez o A2 Portal lembrar de outros dois já publicados em nossas atividades jornalísticas. Hoje rememoraremos o primeiro, por ordem cronológica, retornando a 1978. Naquele ano, na esquina das ruas Anita Garibaldi e avenida Coronel Amazonas, o conhecido “Morro do Vitinho”, um casal estava no interior de um veículo, de frente para o rio. Seria como se hoje, o carro estivesse estacionado onde fica o Mirante Arno Dickel. Antigamente, anters de um desmoronamento durante as cheias de 1983, a esquina era mais ampla e os carro podiam avançar além do espaço existente hoje.

Em dado momento, a fonte, que dessa vez se identificou, sendo um veterinário de Porto União, relatou ao jornalista Marcelo Storck o que avistou naquela noite, por volta das 20h.


“Apareceu uma luz enorme, forte, do outro lado do rio Iguaçu. Ficava sobre a região onde hoje é a unidade de tratamento da Sanepar, em São Cristóvão. Ela deslizava no céu rapidamente. Inicialmente foi um susto, mas logo retomamos a consciência e vendo que nós dos estávamos vendo a mesma coisa, passamos a ter reações. Instintivamente, eu pisquei os faróis do carro. A luz respondeu. Criei uma sequência rítmica com os faróis e aquela luz respondia. Tomados de adrenalina, ligamos o carro e decidimos ir ao outro lado do rio atrás de um contato mais próximo. Porém, esse não ocorreu. Mas foi uma coisa impressionante, consciente e nítida”, relatou.

Em nossa próxima atualização, o relato de avistamentos na região de São Martinho, interior de Porto União. E você? Tem algum relato? Envia para a gente no a2@a2.jor.br

1/7