Buscar

Em jogo histórico, Iguaçu comemora primeira vitória no paranaense 2022

Atualizado: 18 de abr.

Por Marcelo Storck - Jornalista DRT 8108 Fotos Craque Kiko

Um dia de graças historicamente feliz para o Iguaçu

Me perdoem se eu blasfemar. Mas diante de tudo que se viu em campo ontem (16) e fora dele também, é difícil não recorrer à conotação eclesiástica para a analogia desta minha análise do jogão de bola. Foi mais que literalmente (se isso é possível) um “Sábado de Aleluia” para o torcedor iguaçuano. Enfim, a vitória, merecida.

Uma partida emocionante que está marcada na história da Associação Atlética Iguaçu por todos seus contornos em que o time de União da Vitória venceu o Aruko Sports de Maringá por 3 a 2.

O jogo

Pode um treinador marcar um “hat trick”? Olha, penso que o técnico do Iguaçu Dudu Sales saiu do estádio municipal Antiocho Pereira com essa sensação.

Na obrigação de vencer, o Iguaçu partiu logo para cima dos visitantes. Com as entradas de Filder (8) e Rodrigo Jesus (9) como titulares, o time de União da Vitória ficou mais ofensivo.

Logo as 3min surgiu o primeiro lance mais agudo, com uma bola virada depois da triangulação justamente dos dois estreantes da tarde, com o meia Vinicius (10). Bola virada para Romário que cruzou pela direita. Depois, excelente inversão de bola da direita para esquerda que Filder matou com habilidade, cruzou, mas a zaga afastou.


Não demorou para Filder cair nas graças da torcida. Uma partida irretocável, a sua excepcional entrega e até seu jeitão "jamaicano" o fizeram destaque. E mais. Foi ele quem, aos 20 min, após cobrança de escanteio e bola rebatida na pequena área foi oportunista e atento para empurrar para as redes e abrir o placar, marcando o primeiro gol oficial da temporada para o Iguaçu.


Saiu um piano das costas de cada jogador. E talvez justamente essa sensação de tranquilidade momentânea com o 1 a 0 pode ter feito com que os jogadores do Iguaçu baixassem um pouco a guarda, pensando que o segundo gol sairia fácil.

Até poderia ter sido assim, mas pelos menos quatro oportunidades foram desperdiçadas em finalizações fora do alvo que, possivelmente, se ainda estivesse zero a zero, não teriam sido arriscadas. Não chegou a ser displicência, mas o excesso de conforto pode ter atrapalhado.

Então o Aruko deixou de ser "samurai" e deu uma de kamikaze. Foi com tudo em busca do empate. Aos 28min o goleiro João Paulo, do Iguaçu, praticou uma excelente defesa evitando o gol de empate numa forte cabeçada à queima roupa.

Mas o castigo que poucos imaginavam - embora por vezes os adversários parecessem mais bem organizados taticamente - veio aos 45min. Também em jogada de escanteio, o Aruko empatou com gol de Rafael, cabeceando no primeiro poste. A Pantera foi para os vestiários no intervalo sentindo o duro golpe. Murchou.


Segunda etapa O Aruko subiu a marcação percebendo que dava para virar. E deu. Numa saída errada pela lateral direita aos 16min da etapa complementar, Lopes (9) tomou a bola e entrou na área. Cruzou rasteiro para Matheus (11) que da pequena área só teve o trabalho de empurrar, sem chances para o goleiro João Paulo. Aruko 2, Iguaçu 1 - com algumas provocações desnecessárias.

O mundo parecia ter desabado. Era visível que o golpe do samurai acertara em cheio. Mas no estádio Antiocho Pereira, com uma torcida forte sempre presente, de fato é diferente. O Iguaçu foi valente, se recuperou e todos atletas buscaram tirar "um coelho de Páscoa da cartola". Uma dedicação de causar orgulho, embalada pela torcida. E como quem "com ferro fere com ferro será ferido"... Lembra, leitor, do gol de empate no primeiro tempo em cobrança de escanteio?

Então, tiro de canto para o Iguaçu, Vinicius bate e lá estava ele em sua especialidade: Rodrigo Jesus, de cabeça, empatou aos 25min: 2 a 2.

E vai cereja em bolo de chocolate? Vai sim. Olha só: Dudu Sales retirou Rodrigo de Jesus aos 33min e colocou Vitinho (19). Na primeira jogada subsequente de ataque do Iguaçu, bola de Andrei para o ainda muito ativo Filder que sofreu a falta na cabeça da grande área. Mas o árbitro Marcos Vinícius Soares Martins aplicou lei da vantagem já que a bola foi em direção justamente dele, Vitinho. Ele que acabara de entrar, de pé trocado, bateu forte com a direita. de fora da área, acertando o ângulo direito do goleiro Thiago. Iguaçu 3 a 2. Estádio em festa com a torcida gritando olé, numa forma de “retribuir” as provocações feitas por alguns dos atletas visitantes quando o Aruko empatou e virou. Agora o Iguaçu se prepara para “uma decisão” antecipada do campeonato. Vai a Toledo para enfrentar o time da casa. As duas equipes dormiram líder e vice-líder da tabela nesta segunda rodada que será completada hoje com outros três jogos: Apucarana X PSTC; Laranja Mecânica X Prudentópolis e Verê X Andraus, todos às 15h30.

Classificação antes do fechamento da rodada



1/6