Buscar

Empresa paranaense é premiada em desafio da ONU para cidades sustentáveis



A plataforma digital AMA – Agentes do Meio Ambiente, nascida no Paraná para conectar pessoas e multiplicar as ações de desenvolvimento sustentável, foi premiada no Climate Smart Cities Challenge, um desafio climático internacional promovido pela ONU-Habitat e a Agência de Inovação da Suécia (Viable Cities). O anúncio feito na semana passada, na Suécia, reconhece práticas limpas em quatro cidades, incluindo Curitiba.


As soluções da AMA no Paraná se conectam a iniciativas públicas e privadas por meio da Invest Paraná, agência do Governo do Estado de apoio a negócios locais e voltada à prospecção de novos investimentos. Em 2021, a Smart Citizen, desenvolvedora da ferramenta, foi selecionada no programa InovaInvest, que dá suporte a empresas paranaenses de tecnologia e startups em fase de operação ou incubação que tenham soluções, produtos ou serviços inovadores.


“A Invest Paraná facilita a conexão das soluções da nossa plataforma a diversas iniciativas públicas e privadas com interesse em programas de educação ambiental; limpeza e zeladoria urbana; e logística reversa”, explica Caetano Zagonel, gerente de Projetos da AMA.


Um exemplo é a conexão viabilizada pela Invest Paraná em Santa Terezinha de Itaipu, na região Oeste, entre a solução da AMA para gestão de resíduos, Itaipu Binacional, Parque Tecnológico Itaipu e Associação dos Catadores de Resíduos Recicláveis e/ou Reaproveitáveis de Santa Terezinha de Itaipu (Acaresti), que faz a gestão da coleta seletiva junto à Secretaria Municipal de Agropecuária e Meio Ambiente.


A proposta de projeto-piloto inclui a governança digital do programa de coleta seletiva, com gestão e monitoramento remotos; um programa de logística reversa com a participação direta da população e certificação de créditos de compensação; e um programa de ouvidoria pública com abertura de chamados digitais definidos pela prefeitura.


“Os programas são viabilizados com o uso de aplicativo móvel e plataforma web, através de registros georreferenciados e auditáveis de todas as atividades”, explica Zagonel.


A rastreabilidade por meio do aplicativo é destacada pelo assessor da Invest Paraná envolvido na mentoria do AMA, Rogério Chaves, como uma solução da logística reversa para uma das grandes dificuldades da indústria, principalmente do setor cervejeiro e de outras bebidas que utilizam as garrafas de vidro.


De acordo com ele, a dificuldade é como comprovar que efetivamente foi retirado um determinado número de embalagens, que retornaram ou que foram recicladas. O aplicativo sana esse problema. “O agente do meio ambiente se torna o ponto de coleta, acumula um certo número de garrafas e dispara no aplicativo um pedido de coleta para um caminhão que fará o recolhimento organizado e para o destino correto. Isso resolve o problema do catador e o problema da indústria”, cita.


NA PRÁTICA – A ideia de conectar moradores interessados na limpeza do próprio bairro aconteceu há cerca de cinco anos, quando a Smart Citizen atuava na gestão da limpeza pública em Paranaguá, no Litoral do Estado. “Percebemos que o gari trabalhava em áreas da cidade longe de casa, andava quilômetros e voltava para um bairro em que o serviço de varrição urbana não chegava”, conta Elaine Geiser, responsável pelo Marketing da AMA.


A solução veio em forma de dois aplicativos, um de zeladoria pública e o outro que foi reconhecido agora no desafio mundial. No primeiro, a pessoa se cadastra para se tornar um zelador na região onde mora e é remunerado por isso.


“Com o cadastro finalizado e aprovado, o morador recebe acesso à plataforma que organiza, monitora e orienta todas as ações ambientais executadas. Por meio de GPS, o percurso é registrado junto com fotos e tags coletadas a cada tarefa. As informações são gerenciadas e compartilhadas com a prefeitura, que tem acesso aos dados gerados no portal de gestão”, explica Elaine.


Além da fiscalização via GPS e fotos, o serviço prestado pelo zelador é semanalmente avaliado pelos próprios moradores da área, através do aplicativo AMA. “O aplicativo funciona como uma rede social de vizinhos, e nele os moradores podem avaliar os serviços da sua rua, aprender e se engajar nos conteúdos educativos, além de participar de ações e pesquisas remuneradas, que valem pontos e cashback”, afirma.


De um projeto-piloto no bairro Tatuquara, em Curitiba, as soluções da plataforma AMA já chegaram ao Interior Estado, a Paranaguá, Maringá e Cianorte, e em Florianópolis (SC), gerando dados relevantes para as cidades e com possibilidade de agregar novas funcionalidades de acordo com a realidade de cada município ou projeto.


PREMIAÇÃO – O Climate Smart Cities Challenge motiva a criação, no mundo, de cidades sustentáveis e neutras em relação ao clima. Das quase 200 empresas inovadoras inscritas, 45 foram selecionadas para enfrentar os desafios climáticos em Bogotá (Colômbia), Bristol (Inglaterra), Makindye Ssabagabo (Uganda) e Curitiba.


As inscrições foram avaliadas com base em três critérios: soluções prontas para serem demonstradas em um ambiente real, adequadas para integrar uma equipe, e potencial de impacto na população.


Desde janeiro, as finalistas trabalharam com as partes interessadas da cidade para ajustar soluções, adaptar-se ao contexto urbano da localidade e formar relacionamentos entre outros finalistas. O objetivo era construir uma equipe de parceiros complementares para resolver os desafios de mobilidade, energia e lixo.


A AMA integra a equipe Smart neighborhood – junto à brasileira Ambiente Livre e às suecas Smart Green Station (pontos verdes, de ônibus e de bicicletas) e Nudgd (mobilidade) – que desenvolveu a proposta para ser aplicada à comunidade dos bairros Rebouças e Vila Torres, na Capital. Com o anúncio, as vencedoras compartilharão até € 400 mil (euros) em uma fase de planejamento para construir a demonstração de suas soluções nas cidades em 2023.

1/7