Buscar

SC confirma caso da linhagem BA.2 da variante Ômicron


A Fiocruz identificou, a partir da técnica de sequenciamento genético, dois casos da linhagem BA.2 da variante Ômicron, um no estado do Rio de Janeiro e outro no de Santa Catarina, conforme divulgado pelas secretarias estaduais de Saúde. A informação foi divulgada neste sábado (5) pela Fiocruz.


A confirmação foi realizada pelo Laboratório de Vírus Respiratórios e do Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que atua como Centro de Referência Nacional em vírus respiratórios junto ao Ministério da Saúde e que vem atuando no mapeamento de genomas do vírus desde o início da pandemia. O laboratório integra a Rede Genômica Fiocruz.


O diagnóstico inicial foi feito pelos laboratórios dos estados por meio do exame RT-qPCR. As amostras foram encaminhadas para o Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo do IOC/Fiocruz para a realização do sequenciamento genômico, o que confirmou a presença da subvariante BA.2.

Os resultados finais foram informados às secretarias de Saúde dos dois estados e ao Ministério da Saúde, de acordo com os protocolos de referência. Segundo a Fiocruz, a nova linhagem é mais contagiosa, mas ainda é desconhecido se ela é mais perigosa.


Números

O Brasil registrou 1308 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, número mais alto desde agosto. A informação foi divulgada pelo Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) em boletim neste sábado (6).


Desde que os dados começaram a ser contabilizados, em 2020, o País já somou 631.802 óbitos provocados pelo novo coronavírus. A média móvel de mortes, que contabiliza os últimos sete dias, é de 754.


Mundo

Conforme estudo divulgado pelo States Serum Institut da Dinamarca, a subvariante BA.2 da Ômicron pode ser até 1,5 vezes mais transmissível que a cepa Ômicron original.

No entanto, de acordo com a Agência de Saúde Pública do Reino Unido e o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, a linhagem BA.2 parece não reduzir a eficácia das vacinas contra o coronavírus, bem como ainda não há evidências de que possa ser mais grave do que a linhagem original.


1/4