Buscar

Indústria brasileira de cartuchos pretende instalar fábrica de última geração no Paraguai



A Empresa Brasileira de Cartuchos (CBC) pretende instalar uma planta industrial no Paraguai, razão pela qual assinou ontem um acordo com a Diretoria de Materiais de Guerra (Dimabel) das Forças Armadas Nacionais.


O objetivo do acordo é estabelecer as diretrizes gerais do plano de cooperação entre as partes para a instalação de sua unidade industrial no Paraguai, o intercâmbio e desenvolvimento de informações técnicas e tecnológicas, bem como atividades de capacitação profissional para o processo produtivo de componentes no país.


A assinatura do documento contou com a presença do Ministro da Indústria e Comércio (MIC) Luis Castiglioni, do Ministro da Defesa Nacional, Bernardino Soto, do presidente da CBS, Fabio Massaro; a Vice-Ministra da Rede de Investimento e Exportação (Rediex), Estefanía Laterza; o diretor da Dimabel, Aldo Osuna, e o presidente da CBC Mercosul, Oscar de Gásperi.


A CBC Mercosul pretende, com sua instalação no Paraguai, contribuir para o desenvolvimento do país, criando oportunidades de trabalho e possibilitando a troca de informações e conhecimentos.


“Espero que no futuro este acordo nos permita ampliar a possibilidade de levar a uma joint venture, uma estratégia de trabalho conjunto com a Dimabel, onde ambas as partes ganhem”, destacou o ministro Castiglioni, lembrando que a próxima etapa é o desembarque completo da CBC no país, com a inauguração da planta que será construída muito em breve.


Por sua vez, a vice-ministra de Rediex, Estefanía Laterza, destacou que o ato é de grande importância, pois estão lançadas as bases para a instalação de uma indústria que representa um salto muito importante para o Paraguai.


“Passamos da produção de alimentos em estado natural, destinados à exportação, para abrigar indústrias que se destacam pelo alto grau de complexidade e uma real vantagem estratégica para o Paraguai”, disse.


Disse que este facto ajuda a construir a confiança na própria nação, apostando em indústrias muito mais complexas e, em segundo lugar, significa também ter um certo grau de segurança, uma vez que somos nós que processamos materiais vitais para a defesa e segurança da sociedade. , destacou o vice-ministro do MIC.


Por sua vez, o presidente da indústria da CBC, Fabio Massaro, destacou a estreita ligação entre os dois países para desenvolver um projeto importante e estratégico para o setor. Ele mencionou o porte da empresa que vai treinar os funcionários da Dimabel em tecnologias avançadas, que hoje são produzidas na Europa.

1/6