Buscar

Mais de 2.500 torcedores para apoiar e deu certo: Iguaçu 1 a 0 no PSTC


Iguaçu e sua inseparável torcida comemoram juntos

Por Marcelo Storck | Jornalista DRT 8108


O Iguaçu conquistou ontem (8) vitória importantíssima diante do PSTC e, com ela, deu fundamental passo em busca do quadrangular final do Campeonato Paranaense Divisão de Acesso 2022. É vice-líder da competição. Mas não fez isso sozinho.


O diferencial É inegável. A torcida iguaçuana é diferenciada. Como era de se esperar, mesmo no Dia das Mães, casa cheia mais uma vez. Público recorde no Estádio Antiocho Pereira onde mais de 2.500 torcedores presenciaram o decisivo momento.


Isso porque mães e filhos também se fizeram presentes como parte do programa dominical. Caso de João Vitor Prado de Jesus e sua mãe Elizete do Prado (no detalhe) que curtiram juntos o domingo de bom futebol.


Homenagens às mães foram prestadas. Até no gramado, com a mãe Taiana Minikovski entrando com o Breno junto da equipe. Emocionante e revigorante demais! Não é só futebol! Nas arquibancadas, até dois grupos de percussão deram força em dobro e boas energias ao time de União da Vitória que atuou com muita hombridade.


O Jogo O Iguaçu entrou com uma formação diferente, ainda mais ofensiva. Para isso, Dudu Sales lançou mão do jogador Pavi no ataque, junto de Andrei e Rogrido Jesus. A meiuca foi formada por Dalloca, Vinícius e Val. As laterais ficaram com Gean Carlo e Romário. A zaga com Luan e Heverton Luís. E o goleiro João Paulo, em tarde inspirada.

O time visitante veio com o que de melhor possuiu. Média de idade da casa dos 23 anos. E até o “popstar” das redes sociais, o atacante Juninho Manella, que iniciou no banco.


Aos 26 anos, Manella, que foi desligado do Londrina no começo deste ano, tem um canal no Youtube com cerca de 6,5 milhões de inscritos, fazendo sucesso em desafios e brincadeiras com nomes conhecidos do futebol. Fez sucesso também com as crianças que entraram junto do Iguaçu e até posou para algumas fotos.


Mas fora do mundo virtual, quem fez sucesso mesmo foi o Iguaçu. Na prática, o que se viu foi uma Pantera do Vale determinada e muito agressiva desde o princípio do jogo.

Já aos 4min, jogada primorosa de Vinicius-Jesus-Andrei que resultou em passe para Dalloca. Ele arriscou de fora da área e a bola tocou o poste direito da trave, sobrou para Jesus que cabeceou com endereço certo mas o goleiro Gabriel Pezão se recuperou e apareceu “não se sabe de onde” para evitar o gol. Detalhe: defendeu com as mãos.

Iguaçu em cima, deixava o PSTC com uma única oportunidade de jogo que eram os contragolpes, o que, nesse caso, era um pouco arriscado haja vista a velocidade do time visitante e a habilidade notável do camisa 11, Bryam.


O Iguaçu teve outras duas oportunidades em boas jogadas criadas por Andrei sempre muito bem acionado pelas bolas cirúrgicas de Vinicius. Numa Rodrigo Jesus chutou pela esquerda da trave. Na outra, Pavi chutou para a defesa de Pezão. Aos 13min grande jogada individual de Romário pela direita. Driblou um, dois, três e chutou, mas o goleiro defendeu.


Somente aos 15min uma jogada mais expressiva do PSTC. Numa cobrança de escanteio, o zagueiro Gatti cabeceou por cima do travessão. Na sequência, o goleiro João Paulo evitou gol em excelente defesa na cobrança de falta da intermediária de Bryam.


Mas aos 18min, Rodrigo Jesus recebeu falta pela esquerda do ataque iguaçuano. Cobrança de Vinicius e Heverton recebeu carga. O árbitro Adriano Milczvski assinalou acertadamente penalidade máxima. Vinicius cobrou e abriu: Iguaçu 1 a 0, aos 22min.

VEJA A REAÇÃO DA TORCIDA AO LANCE:


Depois do gol, PSTC tentou subir as linhas. Mas o Iguaçu estava como nunca, criando jogadas com a bola no chão, cabeça no lugar. Destaque para a primorosa partida do volante Val (5), para mim o nome do jogo. Afinal, futebol não é só gol. O Breno que o diga. Com o Iguaçu ainda pressionando, o PSTC começou a sentir ansiedade. Aos 28min teve início a série de cartões com o primeiro amarelo para o zagueiro João Gabriel do PSTC. Fundamental esse detalhe, pois no segundo tempo ele receberia o segundo e seria expulso. Ainda aos 34min da etapa inaugural, Romário sentiu falta e precisou ser substituído. Vitinho entrou em seu lugar.


E pensa que a torcida havia parado de chegar? Nada! Não sei o motivo do atraso, mas ainda no intervalo do jogo havia muitos torcedores comprando ingressos (detalhe). Talvez pelo fato dos jogos da TV serem às 16h. Mas, igualmente, todos bem-vindos e atendidos pelos abnegados voluntários da diretoria que, além de tudo, ainda deixam de ver jogos para poder tocar os jogos.


Segundo tempo A segunda etapa foi mais “morna”. O Iguaçu ia ao ataque, mas com menor intensidade, como que administrando a vantagem nos primeiros minutos para “cozinhar” o ímpeto adversário, principalmente no inicio da etapa complementar.

Negativamente, o time da casa repetiu um detalhe preocupante: as bolas “bobas” perdidas no ataque que geraram alguns contragolpes perigosos dos adversários. Ainda assim, Iguaçu monitorava a partida e à medida em que o tempo passava, o PSTC mais nervoso ficava. A ponto da já aludida expulsão de João Gabriel ter ocorrido no 18º minuto da complementar.


Aí o time da casa ficou de vez mais confortável e até passou a exagerar em troca de passes para jogadas mais trabalhadas quando até poderia ter arriscado chutar. Aliás, na segunda etapa não houve arremates de média distância, o que dava saudades daquele lance de Dalloca na primeira etapa. Outro aspecto que incomoda no Iguaçu são os cartões desnecessários. Aqueles oriundos de reclamações. Nestes meus mais de 45 anos em que acompanho o futebol, jamais vi um árbitro “retirar” um cartão ou retornar uma decisão. Exceto agora, na era VAR. Mas não temos, né? Prova é que o Iguaçu segue líder em cartões: são 27 amarelos e oito vermelhos!


O PSTC tentou de tudo para o empate, e até colocou o Manella. Mas João Paulo ainda praticou outras duas grandes defesas e o Iguaçuzão conseguiu manter o importante resultado, mesmo tendo recebido pressão adversária até os minutos finais, ainda que com os visitantes tendo um jogador a menos. Fim de jogo, Iguaçu 1 a 0 e liderança provisória. Havia ainda o jogo em que o Aruko, mais tarde, venceu o Prudentópolis e reassumiu a ponta.



O próximo

O Iguaçu volta a campo depois de amanhã. Recebe o Foz do Iguaçu na quarta-feira (11) às 15h30 no estádio Antiocho Pereira.

O jogo precisará ser nesse horário pois a recente reforma do estádio não incluiu a iluminação. Sim. O estádio municipal de União da Vitória ainda não pode ser utilizado em atividades noturnas. Uma pena. Existe um processo licitatório em curso. Apoiador do Iguaçu, o prefeito Bachir Abbas até tentou o aluguel de iluminação para dar ao público a condição de assistir à partida após o expediente. Mas não se viabilizou.

Assim, o Iguaçu recebe o embalado Foz à tarde mesmo. Os visitantes também venceram na rodada e estão em terceiro, logo atrás do Iguaçu, com 11 pontos. Que competição equilibrada! Restam apenas mais duas partidas. No domingo (15), na última rodada, o jogo será em Verê. Traz boas lembranças ao torcedor, pois foi lá que o Iguaçuzão conquistou, em 2020, o título da terceirona. Torcer para que dessa vez traga o acesso ao quadrangular final. Já é merecido, mas ainda não se conquistou.


A classificação



A próxima rodada



1/4