Buscar

Ministério Público da Argentina pede 12 anos de prisão para Cristina Kirchner



O Ministério Público da Argentina pediu, nessa segunda-feira (22), uma sentença de 12 anos de prisão para a atual vice-presidente do país, Cristina Kirchner.


Diego Luciani, procurador federal encarregado de investigar um suposto sistema de corrupção relacionado a obras públicas na Argentina, disse que a líder peronista, que foi presidente de 2007 a 2015, cometeu os crimes de administração fraudulenta, gerando prejuízo ao Estado, e associação criminosa, para desviar verbas públicas durante seu período na Presidência.


"Esta é provavelmente a maior manobra de corrupção já conhecida no país", disse o procurador ao apresentar sua argumentação, transmitida ao vivo pela internet.

Luciani também solicitou o confisco dos bens envolvidos nos crimes, totalizando US$ 1 bilhão, além da inelegilibilidade permanente de Cristina Kirchner para cargos públicos.


A investigação busca estabelecer se a ex-presidente e outros funcionários de seu governo favoreceram empres. do empresário Lázaro Báez na licitação de dezen. de obras públic. na Patagônia, muitas d. quais poderiam ter sido superfaturadas ou não teriam sido concluídas.

Especialistas suspeitam que o capital supostamente desviado teria retornado às mãos da família Kirchner por meio de su. empresas.


"O governo nacional condena a perseguição judicial e midiática contra a vice-presidente Cristina Fernández de Kirchner", disse a gestão do presidente Alberto Fernández em comunicado. "Nenhum dos atos atribuídos à ex-presidente foi comprovado", acrescentou.

A sentença será conhecida em meses, segundo a mídia local, embora Cristina Kirchner possa recorrer a tribunais superiores, o que levaria anos até que se chegue a um veredito final.


No entanto, uma sentença ainda neste ano pode afetar as chances do atual governo nas eleições presidenciais argentinas, no fim de 2023.



1/7