Buscar

Mundo lamenta pior tragédia pesqueira espanhola em 38 anos após naufrágio da Villa de Pitanxo


A traineira Villa de Pitanxo afundou na costa de Newfoundland, leste do Canadá, na terça-feira (15). Fotografia: Ministério da Agricultura da Espanha O mundo está de luto pela pior tragédia pesqueira espanhola das últimas quatro décadas quando as equipes de resgate afirmaram que é improvável que encontrem mais sobreviventes do “ Villa de Pitanxo”, a embarcação pesqueira de 50 metros que enviou um sinal de socorro às 4h24 GMT de terça-feira (15) e afundou logo em seguida no mar agitado da “Terra Nova”.


Até agora foram recolhidos os corpos de 10 mortos e resgatados três sobreviventes de um bote salva-vidas. As buscas por outros 11 que permanecem desaparecidos continuam.

Dos 24 tripulantes, 16 eram espanhóis, cinco peruanos e três ganenses. Os sobreviventes foram encontrados em um bote salva-vidas por um barco de pesca espanhol cinco horas depois que a Villa de Pitanxo enviou um pedido de socorro. Sofrendo de hipotermia, eles foram transportados de avião para a segurança por um helicóptero canadense.


Luis Planas, ministro da Agricultura e Pescas da Espanha, descreveu a perda do arrastão como “a maior tragédia no setor pesqueiro dos últimos 38 anos” – uma referência ao naufrágio do Islamar III, um barco de sardinha, nas Ilhas Canárias em Julho de 1984, com a perda de 26 vidas. Não ficou imediatamente claro o que causou o naufrágio do barco.


Lamentou O papa Francisco manifestou hoje solidariedade pelo naufrágio no Canadá do navio pesqueiro galego "Villa de Pitanxo", no qual morreram nove pescadores e 12 estão desaparecidos.

Em telegrama enviado ao arcebispo de Santiago de Compostela, Julian Barrio, Francisco descreveu como "triste notícia" o naufrágio da embarcação, ocorrido terça-feira (15) na costa canadense.

Depois de expressar sinceras condolências, o papa manifestou sua solidariedade "neste momento de aflição", de acordo o telegrama enviado em nome de Francisco pelo secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin.

Na mensagem, o papa diz que "eleva as suas orações a Deus pelo descanso eterno das vítimas e expressa proximidade às famílias que choram os seus entes

1/6