Buscar

OTAN transmite propostas escritas à Rússia e pede diálogo


Tendo em vista o contínuo aumento militar da Rússia dentro e ao redor da Ucrânia, o secretário-geral Jens Stoltenberg confirmou na quarta-feira (26 de janeiro de 2022) que a OTAN transmitiu suas propostas por escrito à Rússia, em paralelo com os Estados Unidos.


"Enfrentamos um momento crítico para a segurança euro-atlântica.

O acúmulo militar da Rússia na Ucrânia e ao redor continua, com mais de 100.000 soldados em posição e mais a caminho, incluindo destacamentos significativos na Bielorrússia.

Apelamos mais uma vez à Rússia para desescalar imediatamente a situação" disse o secretário geral da OTAN, Jens Stoltenberg.


A OTAN acredita que as tensões e desacordos devem ser resolvidos através do diálogo e da diplomacia. Não pela força ou pela ameaça de força.

Então, hoje, a OTAN transmitiu nossas propostas escritas à Rússia. Fizemos isso em paralelo com os Estados Unidos. Permitam-me que descreva as três áreas principais em que vemos espaço para progressos.

Primeiro, as relações OTAN-Rússia. A Rússia cortou relações diplomáticas com a OTAN, o que dificulta nosso diálogo. Portanto, devemos restabelecer nossos respectivos escritórios em Moscou e em Bruxelas.

Devemos também fazer pleno uso de nossos canais de comunicação militares para militares existentes, para promover a transparência e reduzir os riscos, e buscar também a criação de uma linha direta civil para uso emergencial.

Em segundo lugar, a segurança europeia, incluindo a situação na Ucrânia e arredores.

Estamos preparados para ouvir as preocupações da Rússia e travar uma conversa real sobre como defender e reforçar os princípios fundamentais da segurança europeia que todos subscrevemos, começando pelo Ato Final de Helsínquia.

Isso inclui o direito de cada nação de escolher seus próprios arranjos de segurança.

A Rússia deve abster-se de postura de força coercitiva, retórica agressiva e atividades malignas dirigidas contra os Aliados e outras nações.

A Rússia também deve retirar suas forças da Ucrânia, Geórgia e Moldávia, onde são implantadas sem o consentimento desses países, e todas as partes devem se envolver de forma construtiva nos esforços para resolver conflitos, inclusive no formato da Normandia.

Terceiro, redução de riscos, transparência e controle de armas.




1/6