Buscar

Quais as suspeitas que serão averiguadas durante a prisão preventiva de Passos e Pike?


Adelmo Alberti, Orildo Severgnini, Renato Pike e Beto Passos: os quatro políticos do Planalto Norte, juntos na foto e na situação de terem sido presos pela Operação Et Pater Filium do GAECO.

A ação do GAECO que prendeu hoje (29) na sétima fase da Operação Et Pater Filium o prefeito de Canoinhas, Beto Passos, e o vice Renato (Pike) Jardel Gurtinski, ocorreu quatro dias depois de terem sido interrogados outros dois envolvidos na operação que já havia detido Adelmo Alberti (prefeito de Bela Vista do Toldo) e Orildo Severgnini (prefeito de Major Vieira). Outras 12 pessoas foram presas hoje e de acordo com o site Canoinhas Online, aparentemente houve delação que concretizou a fase da operação.

Mas, quais crimes estão sendo investigados e quais são as suspeitas? Durante a prisão preventiva dos investigados, serão apuradas a ocorrência de crimes de corrupção passiva, fraude a procedimentos licitatórios e embaraçamento de investigação relacionada a organização criminosa, suposta empreendidos por Beto Passos e outros.


Alguns dos indícios/suspeitas são:


> Aquisição de veículos particulares com dinheiro público

> Fraude em licitações e contratação direta ilegal

> Irregularidades no contrato de locação de imóvel na Rua Marechal Deodoro para funcionar como garagem de máquinas da prefeitura

> Esquema criminoso relacionado ao transporte de alunos e passageiros

> Aquisição de um posto de combustíveis no centro de Canoinhas utilizado supostamente para branquear os desvios referentes ao procedimentos licitatórios fraudados (lavagem de dinheiro)

> Crescimento patrimonial do prefeito em apenas 4 anos, visto que tinha vencimentos mensais de R$ 13 mil

> Valores na casa de milhões, movimentados por uma concessionária de veículos do vice-prefeito

> Presentes envolvendo, veículos, por exemplo, em troca de cargos públicos e/ou garantia de resultado de Concorrência Pública (licitação), entre outros.

> No caso de três dos investigados, a quantidade de dinheiro que teve movimentação em suas contas é de causar alarme, aponta o Ministério Público: “Todos tem ocupações profissionais que nem no cenário mais fantasioso tornaria possível a movimentação de dezenas de milhões de reais em cinco anos“.

> Segundo o Tribunal de Justiça de Santa Catarina, a prisão preventiva é necessária “visto que a liberdade deles representa grave risco de comprometimento dos atos investigativos, dada sua imersão no arranjo criminoso e o fato de que podem, com grande facilidade, interferir nos elementos de prova ainda não confeccionados”.

> Os documentos apreendidos na prefeitura municipal e na casa dos investigados, serão analisados pelas equipes de investigação e apresentados em juízo.

Beto Passos e Renato Pike foram conduzidos para Unidades Prisionais de Jaraguá do Sul e Joinville. Os demais foram levados para a Unidade Prisional de Canoinhas.

Enquanto o prefeito e seu vice seguem presos, Willian Godoy, presidente da Câmara de Vereadores, assume interinamente a Prefeitura de Canoinhas.

1/4